Em tudo fazer a Vontade de Deus

Nisto consiste a felicidade neste nosso caminhar. Não esqueçamos que estamos a caminho do Paraíso e não vivamos como se aqui já fosse o Paraíso, disse São Gregório.

DIVINO PAI ETERNO

DIVINO PAI ETERNO
O olhar do Pai sobre nós, seus filhos que tanto ama.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Com a eutanásia e o suicídio assistido tomando conta, nós vivemos em um mundo Kevorkian.

lifenews.com 

jackkevorkian
Jack Kevorkian

Com a eutanásia e o suicídio assistido tomando conta, nós vivemos em um mundo Kevorkian
 
por Wesley J. Smith | Washington, DC | LifeNews.com | 12/8/14

Em meio ao furor da mídia com Brittany Maynard, ocorreu-me como foi profético Jack Kevorkian  sobre o quão profundamente a cultura da morte deveria assumir a cultura do Ocidente. Então, eu levei para as páginas do Weekly Standard para emitir um aquecimento na tempestade. A partir de "A Visão de Kevorkian:"


A última vez que os meios de comunicação invadiram tão fervorosamente em favor do suicídio assistido foi quando eles elogiaram a campanha do suicídio assistido desafiante de Jack Kevorkian na década de 1990. Como mais tarde fariam com Maynard, a mídia lançou intensa emotividade para os relatórios e análises, concentrando-se quase exclusivamente no sofrimento daqueles que queriam morrer e  o não da sociedade radical que Kevorkian esperava que sua campanha pela morte traria.

Kevorkian está morto, mas as políticas que ele defendia estão se tornando realidade - um pouco aqui, outro pouco lá- em grande parte do Ocidente.

Eu passo por uma  alarmante e deprimente ladainha. Aqui está uma amostra:



A lista de propostas Kevorkian que estão sendo implementadas ou propostas como um meio de "morte com dignidade" poderiam continuar e continuar:


Kevorkian escreveu na revista Medicina e de Direito (1986) que os leigos devem ser autorizados a assistir suicídios. Hoje, a legislação pendente do suicídio assistido da Escócia propõe a criação de uma profissão  nova, o "facilitador suicídio licenciado" - que seriam autorizados a assistir suicídios daqueles encontrados em condições médicas sugeridas por um médico.

Kevorkian argumentou que a eutanásia deve estar disponível para bebês e crianças. Na Holanda, as crianças com doenças terminais e seriamente deficientes são sacrificados sob o que é conhecido como Protocolo de Groningen, enquanto a Bélgica recentemente legalizou o suicídio assistido por crianças sem restrições de idade.

Kevorkian acreditava  que os corpos daqueles que são sendo sacrificados devem ser usados para o benefício da sociedade. Ele até tirou os rins de ex-policial Joseph Tushkowski - um tetraplégico, ele ajudou no suicídio - oferecendo-lhes em conferência de imprensa, "o primeiro a chegar, o primeiro a ser servido". Na Bélgica agora os casais fazem a eutanásia com a colheita de órgãos. Os médicos  nos seminários realizados estão pedindo que os pacientes com deficiência neuromusculares devem ser considerados os principais candidatos quando eles têm "boas órgãos." A Holanda está agora na elaboração de normas para fazer o mesmo.



Kevorkian propôs a criação de centros regionais de morte para fazer o "serviço" mais acessível. Na Holanda, os médicos fazem chamadas da 'casa eutanásia' enquanto clínicas de eutanásia móvel viajam para lares de idosos e em outros lugares, a fim de facilitar suicídios nos casos em que os médicos pessoais possam recusar pedidos de eutanásia.

Há mais exemplos, é claro, mas eu vou deixar você ler o artigo.

Estamos nos tornando um mundo Kevorkian. Nós não temos que aceitar, não, não é tarde demais para fazer algo, mas a menos que se curvem em direção à indiferença e sucumbam à bludgeoning emocional, Kevorkian será o rosto que você vai ver no espelho.

LifeNews.com Nota: Wesley J. Smith, JD, é um consultor especial do Centro de Bioética e Cultura e um advogado de bioética que bloga no Exeptionalism Humano.

http://www.lifenews.com/2014/12/08/with-euthanasia-and-assisted-suicide-taking-hold-everywhere-we-live-in-a-kevorkian-world/


domingo, 30 de novembro de 2014

"Recebi 5.475 Chagas em meu Corpo. Se desejas honrâ-las recita todos os dias quinze vezes o Padre Nosso e a Ave Maria juntamente com as orações que Eu próprio te ensinarei, durante um ano inteiro. Quando o ano findar, terás honrado cada uma de minhas Chagas."

As Quinze Orações Reveladas por Nosso Senhor à Santa Brígida

Recomendações de Pio IX

Estas orações foram tiradas de um livro impresso em Tolouse em 1740 e publicado pelo Pe. Adriano Parvilliers, da Companhia de Jesus, missionário apostólico da Terra Santa, com aprovação, permissão e recomendação de propagá-las.

O Papa Pio IX teve ensejo de examinar estas orações e as aprovou a 31 de maio de 1862, reconhecendo-as como autênticas e de grande proveito para o bem das almas.

As Promessas

Tendo Santa Brígida orado longamente com a intenção de saber quantas Chagas Nosso Senhor recebeu durante sua terrível Paixão, o Salvador, recompensando sua paciência, apareceu-lhe um dia e disse-lhe:
"Recebi 5.475 Chagas em meu Corpo. Se desejas honrâ-las recita todos os dias quinze vezes o Padre Nosso e a Ave Maria juntamente com as orações que Eu próprio te ensinarei, durante um ano inteiro. Quando o ano findar, terás honrado cada uma de minhas Chagas."

Promessas feitas a Santa Brígida, por Jesus Cristo Crucificado, e a todos os que diariamente   rezarem com devoção estas orações pelo período de um ano:
• Aquele que recitar estas orações atingirá o mais alto grau de perfeição.
• Colocarei minha vitoriosa Cruz diante dele como auxílio e defesa contra os ataques de seus inimigos.
• Quinze dias antes da morte, terá um perfeito conhecimento de todos os seus pecados e uma profunda contrição deles.
• Quinze dias antes da morte, lhe darei a comer meu Precioso Corpo a fim de que não padeça a fome eterna; e também lhe darei a beber meu Precioso Sangue para que não sofra sede eternamente.
•Antes de sua morte, virei a ele com minha amadíssima Mãe.
• Receberei benignamente a sua alma, e a levarei para a eterna alegria.
• E, tendo lá chegado, lhe darei a beber um trago singular da fonte da minha Divindade, o que não farei, absolutamente, a outros que não hajam recitado as minhas orações.
• Livrarei do purgatório quinze almas de sua linhagem.
• Quinze pecadores de sua linhagem serão convertidos.
• Quinze almas de sua linhagem serão confirmadas e preservadas em graça.
• Faço saber que, se alguém, tendo vivido em estado de pecado mortal por trinta anos, recitar ou tiver a intenção de recitar estas orações devotamente, Eu, o Senhor, lhe perdoarei todos os seus pecados.
• E se tiver passada toda a sua vida fazendo a própria vontade, e estiver para morrer no dia seguinte, sua vida será prolongada.
• Defendê-lo-ei contra as tentações do demônio.
• Preservarei e guardarei os seus cinco sentidos.
• Preservá-lo-ei da morte súbita.
• Sua alma será livre da morte eterna.
• Obterá tudo o que pedir a Deus e à Santíssima Virgem.
•Terá assegurada sua participação no supremo coro dos Anjos.
• O que ensinar estas orações a outro terá contínua alegria e mérito por toda a eternidade.
• No local em que estas orações são ou forem rezadas no futuro, Deus estará presente com sua graça.
• Cada vez que recitar estas orações, obterá 100 dias de indulgência. 
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Primeira Oração
Ó Jesus Cristo, doçura eterna para aqueles que Vos amam, alegria que ultrapassa toda alegria e todo o desejo, salvação e amor dos pecadores arrependidos aos quais declarastes: "As minhas delícias são estar com os filhos dos homens", tendo assumido nossa natureza para nossa salvação, lembrai-Vos dos motivos que Vos levaram a tal coisa e dos sofrimentos que suportastes, desde o primeiro instante de Vossa Conceição até o tempo de Vossa Santa Paixão, assim como havia sido decretado e estabelecido desde toda a eternidade por Deus uno e trino.
Lembrai-Vos, Senhor, de que, celebrando a Ceia com os vossos discípulos, depois de lhes haverdes lavado os pés, destes-lhes o Vosso Sagrado Coração e precioso Sangue e consolando-os docemente lhes predissestes Vossa Paixão iminente. Lembrai-Vos da tristeza e da amargura que experimentastes em vossa alma, como o testemunhastes, Vós mesmo, por estas palavras: "Minha alma está triste até a morte".
Lembrai-Vos, Senhor, dos temores, angústias e dores que suportastes em vosso Corpo Santíssimo antes do Suplício da Cruz, quando, depois de terdes rezado por três vezes, derramando suor de sangue, fostes traído por um dos vossos discípulos, pertencente à nação eleita, acusado por testemunhas falsas e iniquamente condenado à morte por três juízes no tempo solene da Páscoa. Lembrai-Vos de que fostes traído, escarnecido e despojado das vossas próprias vestes; de que Vos velaram os olhos, de queVos deram bofetadas, de que fostes atado a uma coluna, flagelado e coroado de espinhos.
Pela memória que conservo dessas penas e dores, concedei-me antes da morte, uma verdadeira contrição, a oportunidade de me confessar com sinceridade e a remissão de todos os meus pecados.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Segunda Oração
Ó Jesus, verdadeira alegria dos Anjos e paraíso de delícias, lembrai-Vos dos horríveis tormentos que suportastes, quando vossos inimigos, como leões furiosos, Vos cercaram, e por meio de mil injúrias, escarros, bofetadas, arranhões e outros inauditos suplícios, Vos atormentaram. Em consideração desses insultos e desses tormentos, eu Vos suplico que Vos digneis libertar-me dos meus inimigos visíveis e invisíveis e que, a sombra de vossas asas, eu encontre a proteção da salvação eterna.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
  Terceira Oração
O Verbo Encarnado, onipotente Criador do mundo, que sois imenso, incompreensível, e podeis conter o universo no espaço da palma de uma mão, lembrai-Vos da dor, repleta de amargura, que experimentastes quando os soldados, pregando na cruz Vossas sagradas mãos e pés, transpassaram-nos com agudos cravos. Que dores suportastes, oh! Jesus, quando os pérfidos algozes feriram vossos membros, destroncaram as juntas de vossos ossos, e estiraram vosso Corpo de todos os lados. Eu Vos suplico, pela lembrança destas dores suportadas por Vós na Cruz, que Vos digneis conceder-me que Vos ame e Vos tema quanto é necessário. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Quarta Oração
Ó Jesus, médico celeste, lembrai-Vos dos sofrimentos e das dores que sentistes em vossos já lacerados membros, quando a Cruz foi levantada. Da planta dos pés até o alto da cabeça nenhuma parte do Vosso Corpo esteve isenta de tormentos; e, entretanto, esquecido de vossos sofrimentos, rezastes por vossos, inimigos dizendo: “Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem”.
Por esta desmedida caridade e misericórdia e em memória de tais dores, fazei com que eu me recorde de Vossa Paixão, para que esta opere em mim uma perfeita contrição e a remissão de todos os meus pecados. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Quinta Oração
Ó Jesus, espelho do esplendor eterno, lembraiVos da tristeza que sentistes quando, contemplando a predestinação daqueles que deviam ser salvos pelos méritos de Vossa Santa Paixão, considerastes, ao mesmo tempo, que muitos homens d'Ela não se aproveitariam. Por este abismo de compaixão e pela bondade que manifestastes ao bom ladrão, dizendo-lhe: "Hoje estarás comigo no Paraíso", eu Vos suplico, ó piedoso Jesus, que na hora de minha morte, useis de misericórdia para comigo. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre Nosso, Ave Maria.

mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Sexta Oração
O Jesus, Rei amável, lembrai-Vos da dor que experimentastes quando, nu e desprezado, fostes levantado na Cruz, sem terdes quem Vos consolasse entre vossos amigos e conhecidos, com exceção de Vossa Mãe bem-amada, a qual entregastes ao discípulo predileto, dizendo:
"Mulher, eis aí o teu filho" E a João: "Eis aí tua Mãe!"
Eu Vos suplico com confiança, piedosíssimo Jesus, pela espada de dor que então transpassou a alma dEla, que tenhais compaixão de mim nas minhas angústias e tribulações, tanto corporais como espirituais, e me consoleis, trazendo-me ajuda e gáudio em todas as provações e adversidades.
Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Sétima Oração
Ó Senhor Jesus Cristo, fonte inexaurível de doçura que, por uma profunda ternura de amor, dissestes sobre a Cruz: “Tenho sede!” isto é, desejo sumamente a salvação do gênero humano, acendei em nós, Vos rogamos, a vontade de operar perfeitamente, extinguindo, por completo, em mim, a sede das concupiscências pecaminosas e o ardor dos prazeres mundanos.
Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 


Oitava Oração
Ó Senhor Jesus Cristo, doçura dos corações e suavidade dos espíritos, pelo amargo sabor do fel e do vinagre que por nós provastes na hora de Vossa morte, concedei-nos a nós, míseros pecadores, a graça de receber Vosso Corpo e Vosso Preciosíssimo Sangue durante nossa vida e na ora de nossa morte, não indignamente mas para remédio e consolo de nossas almas. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Nona Oração
O Senhor Jesus Cristo, alegria do espírito, lembrai-Vos da angústia e da dor que suportastes quando, mergulhado na amargura ao sentir aproximar-se a morte, insultado e ultrajado pelos judeus, clamastes a Vosso Pai, dizendo:
"Meu Deus, Meu Deus, por que Me abandonastes?"
Por essa angústia eu Vos suplico que não me abandoneis na hora de minha morte. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Décima Oração
Ó Senhor Jesus Cristo, princípio e último termo de vosso próprio amor, que por nós fostesmergulhado num mar de dores, da planta dos pés até o alto da cabeça. Vos suplico que, por vossas largas e profundíssimas Chagas, me ensineis a cumprir perfeitamente, com sincera caridade, vossa lei e mandamentos. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
PadreNosso,AveMaria
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Décima-Primeira Oração
Ó Senhor Jesus Cristo, profundo abismo de piedade e misericórdia, suplico-Vos, pela profundidade de vossas Chagas que penetraram até a medula de vossos ossos e atingiram até vossas entranhas, que Vos digneis arrancar-me do lodaçal de pecados em que estou submerso, e ocultar-me dentro de vossas Chagas. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Décima-Segunda Oração
Ó Jesus Cristo, espelho de verdade, sinal de unidade, laço de caridade, lembrai-Vos dos inumeráveis ferimentos de que se cobriu Vosso Corpo, dilacerado pelos ímpios judeus e coberto pela púrpura de Vosso próprio Sangue adorável.
Inscrevei, por misericórdia, com este mesmo Sangue em meu coração, as Vossas Chagas, a fim de que pela meditação de Vossa dor e de
Vosso amor, se renove em mim, todos os dias, a dor pelos Vossos sofrimentos, aumente o meu amor, e eu persevere em dar-Vos graças continuamente até o fim de minha vida, ou seja, até
que eu me encontre finalmente convosco, cheio de todos os bens e de todos os méritos que Vos dignastes dar-me, do tesouro de vossa Paixão.
Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
 mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
 Décima-Terceira Oração
Ó Senhor Jesus Cristo, Rei invictíssimo e imortal, lembrai-Vos da dor que Vos acabrunhou quando sentistes esgotadas todas as forças de Vosso Corpo e de Vosso Coração; e inclinastes a cabeça, dizendo: "Tudo está consumado!”
Por esta angústia e por esta dor, eu Vos suplico que tenhais piedade de mim quando soar a minha última hora e minha alma estiver turbada nos exteriores da agonia. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.
mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Décima-Quarta Oração
Ó Jesus Cristo, Filho unigênito do Pai, esplendor e imagem de sua substância, lembrai-Vos da humilde recomendação que lhe dirigistes, dizendo: "Meu Pai, em vossas mãos entrego o meu espírito!" Depois expirastes, com a cabeça inclinada e as entranhas de vossa misericórdia abertas para nos resgatar. Por essa preciosíssima morte, eu Vos suplico, ó Rei dos Santos, que me façais forte em resistir ao demônio, ao mundo e à carne, a fim de que, estando morto para o mundo, eu possa viver somente para Vós. Na hora da morte; recebei, eu Vos peço, minha alma que deseja retornar para sua pátria, depois de longo exílio e peregrinação.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.

mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Décima-Quinta Oração
Ó Jesus, vida verdadeira e fecunda, lembrai-Vos da abundante efusão de Vosso Sangue que derramastes de Vosso Sagrado Corpo, quando depois de inclinada vossa cabeça, o soldado Longino Vos abriu o lado, de onde jorraram as últimas gotas de sangue e água. Por esta tão amarga Paixão feri, eu vo-Lo rogo, dulcíssimo Jesus, meu coração, a fim de que dia e noite eu verta lágrimas de amor. Convertei-me totalmente a Vós para que meu coração seja Vossa perpétua morada; minha conversão Vos agrade e seja de Vós aceite; e o termo final de minha vida seja edificante, para que Vos louve eternamente com todos os santos. Assim seja.
Ó dulcíssimo Senhor Jesus Cristo, tende misericórdia de mim, pecador.
Ó Jesus, Filho de Deus, nascido de Maria Virgem, crucificado para salvação dos homens, ora reinante nos Céus, tende piedade de nós.
Padre-Nosso, Ave Maria.

mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm 
Oração Final
Senhor meu Jesus Cristo, Filho de Deus vivo, aceitai esta oração com o mesmo entranhado amor com que suportastes todas as Chagas de Vosso Santíssimo Corpo; tende compaixão de nós, e concedei a todos os fiéis Vossa misericórdia, Vossa graça, a remissão de todas as culpas e penas e a vida eterna. Assim seja.

sábado, 15 de novembro de 2014

Zbigniew Stankevics, voz potente para com a vida e a família.Quase foi abortado, foi comunista, fez yoga, tomou Jesus como Mestre… e agora é arcebispo.

ReligionenLibertad.com

Casi lo abortaron, fue comunista, hizo yoga, tomó a Jesús como Maestro… y ahora es arzobispo
Zbigniew Stankevics, voz potente para com a vida e a família

Quase foi abortado, foi comunista, fez yoga, tomou  Jesus como Mestre… e agora é arcebispo


O arcebispo Stankevics de Riga exemplifica com sua vida os avatares étnicos e espirituais da Europa Oriental, e toma com força sua identidade católica

Pablo J. Gines/ReL - 29 octubre 2014 - religionenlibertad.com

Uma das vozes que soaram com mais força no passado Sínodo da Família em defesa da doutrina católica sobre o matrimônio e a família foi a do arcebispo de Riga (Letônia), Zbigniew Stankevics, um homem com um passado peculiar: pressionaram  sua mãe para que o abortasse, teve formação científica em inteligência artificial, foi membro da juventude do Partido Comunista, durante anos buscou o sentido da vida no yoga e nas religiões orientais e tomou   Cristo como Mestre (e Senhor) em um grupo ecumênico na   Moscou soviética. 

Um país que se divorcia em 77%

Com uma taxa de divórcio de 77% os letões   sabem quase tudo sobre a desestruturação da família. Stankevics fala, no entanto, que os que se casam pela Igreja na Letônia só  registram uma taxa de ruptura de 14%, apesar do ambiente divorcista do país. 

Durante o Sínodo, Stankevics falou na Rádio Vaticana com  ideias claras: “A missão dos padres sinodais não é fazer uma abertura mal definida, mas aplicar na situação atual o ensinamento da Igreja”.

E acrescentou: “temos de enfrentar os desafios contemporâneos sem perder nossa identidade católica e sem renunciar à verdade sobre o matrimônio”. 

De volta a Riga após o Sínodo, o arcebispo assegurou à imprensa local: “O ensinamento da Igreja não mudou nem se espera que mude. Nem o Sínodo nem o Papa podem mudar o que está escrito no Evangeho, que contém as verdades fundamentais. O problema hoje consiste em reavivar essa realidade”.



Sem medo de ir contra-corrente

Stankevics é um homem corajoso  que nunca se importou de ir contra-corrente. Por exemplo, muitos nacionalistas letões o criticaram quando propôs que seria bom que todos na Letônia conhecessem o idioma russo, que tem como próprio quase um terço da população, mas que o resto associa com a odiada ocupação soviética que durou de 1940 a 1990.

“Eu gosto de me comunicar  com as pessoas em seu próprio idioma”, explicou ele. “Tenho familiares com os quais falo em polonês, outros em russo e outros em letão. Em família só usamos o polonês; na escola usava o letão; usava o russo no grupo Ecumênico e o uso muito para ler literatura. Depois aprendi inglês e italiano”.

Quando planejaram abortá-lo

Outro momento em que chamou a atenção do povo letão (ali só 20% da população é católica) foi quando se debatia para ampliar o aborto no país em 2002. Ele na época era um simples sacerdote recém ordenado. 

Revelou em um texto intitulado “Porque fui afortunado” que era um sobrevivente do aborto: pressionaram  sua mãe para que o abortasse. 

As pressões não eram de ninguém de longe: era sua própria tia, irmã dela, médica,  que lhe dizia que abortasse por uma causa “gravíssima”: ter 40 anos. Por sorte, a mãe de Stankevics, de fé católica e origem polonesa, se negou apesar do ambiente abortista generalizado da era soviética.

O padre Stankevics em 2002 insistiou em proclamar o ensinamento católico: “A Igreja sempre  manteve que qualquer aborto intencionalmente provocado é moralmente mau”. Contudo, a Letônia aprovou o aborto livre durante as 12 primeiras semanas de gravidez, porém debido a mudanças de hábitos e econômicas e ao esforço de organizações pró-vida o aborto foi decaíndo no país: em 1991, com ritmos ainda soviéticos, havia quase 45.000 abortos (frente a 34.000 nascimentos vivos). Em 2011 os abortos eram 7.000 ao ano.

Do marxismo ao karatê e o yoga

A história de fé de Stankevics é a de alguém que busca contra-corrente. 

Na infância deixou a fé católica de sua mãe e assumiu os ensinamentos, com aparência tão científicas e racionais, do marxismo que lhe ensinavam na escola. 



Propaganda soviética em letão

“Na época soviética nos lavaram o cérebro com a ideologia e   acreditei no marxismo”, explica rindo para a revista bielorrussa Cerkov.by. “Esta ideologia nos livros ficava muito bem, como teoria, mas sua encarnação na vida real era terrível. Com o tempo decidi seguir buscando com ajuda da ciência. Deram-me para escolher como campo profissional entre a física nuclear, a cibernética e a inteligência artificial. Escolhi esta última”.

E aprendendo o que é a inteligência leva a aprender o que é a alma. E o homem. 

Também  notava na natureza: havia escalada e passeava pela montanha. Uma vez esteve 21 dias viajando a pé pela natureza, dormindo sempre no chão em saco de dormir. E notava que havia algo mais.

Entendeu que o material não é tudo, que havia um mistério, algo sagrado e transcendente, na existência. 

“Alguns flashes deste mistério os entrevi quando comecei a fazer karatê. Sua filosofia me levou ao yoga, e ali descobri o que negava o marxismo: descobri que há uma dimensão espiritual na existência”.

Não lhe interessava o cristianismo, que apenas conhecia e lhe parecia algo velho e caduco. Pensou que as religiões orientais marcavam o caminho. E se focou no yoga.

“Praticava o yoga muito a sério. Cada dia praticava, sentado na posição de loto. Porém depois de alguns anos entrei em crise. Entendi que Deus existia, sim, mas que não podia conectar-me com Ele. O yoga não me ajudava a conseguir este objetivo. Passavam os anos e continuava longe de conseguir. Nesse momento me encontrei com alguns jovens cristãos, de distintas denominações, que estavam juntos no grupo Ecumena, primeiro em Moscou, depois em Riga. Entre eles me senti conpreendido”.

Todo yogui busca um Mestre, alguém que lhe ensine como contactar com o absoluto, com a iluminação. E o jovem Stankevics decidiu tomar como mestre a Jesus.

“Senti que o Mestre que eu em vão buscava no yoga e através do qual podia aproximar-me de Deus era Jesus, o Cristo”.

Avisando a Juventude Comunista
Assim começou sua aproximação da fé cristã. Durante 10 anos foi um jovem engenheiro, que lia livros sobre o cristianismo e crescia na fé.

Em certo momento, como era membro do Konsomol, a juventude comunista, teve que tomar partido, ou melhor dizendo, deixar o partido.

A princípio muitos colegas engenheiros o viam como alguém peculiar, um “crente”, mas sem pressioná-lo. Finalmente foi ao comitê do Konsomol e declarou que suas crenças eram contrárias aos estatutos da organização e que acreditava em Deus. "Aí veio o pânico", recorda. 

Tentaram lhe convencer de que o que enobrece ao homem é acreditar no partido, não em Deus. Como ele não cedia, o tiraram da militância.



Jovens do Konsomol letão desfilavam orgulhosos em Riga, na década de 80, com seus uniformes de Fusileiros Vermelhos Letões... hoje a simbologia comunista, como a nazista, estão proibidas na Letônia 

“O comunismo se equivoca sobretudo na compreensão da pessoa”, explica anos depois Stankevics. “O comunismo vê o ser humano como um cruel produto da matéria. Por que caiu o socialismo? A economia foi só  uma causa secundária. Na realidade, era o homem que se afogava por falta de ar!”

Em 1990, caiu o Muro de Berlim e independentes os países bálticos, começou a estudar teologia em Lublin; foi ordenado sacerdote em 1996, continuou seus estudos em Roma e em 2010 Bento XVI o nomeou Arcebispo de Riga. 

A ideologia do prazer e o materialismo
A situação atual é também época de desafios. “Até então o ateísmo era teórico, agora vivemos um materialismo prático”, lamenta. Condena “a ideologia do bem estar, da carreira pelo poder, a riqueza, o prazer.  Tragamos sem pestanejar porque não tínhamos fundamentos espirituais”, explica, aludindo aos países pós-soviéticos. 

Defendendo o celibato
Stankevics defende a tradição da Igreja Católica do celibato sacerdotal, que é estranha para os letões luteranos (25% da população, com pastores casados) e para os ortodoxos ( 35%, com monges e bispos celibatários mas que ordenam párocos  a homens casados). 

“A lógica do celibato é simples: Jesus não era casado, era completamente dedicado à vontade do Padre Celeste”, explica. “Quando uma pessoa aceita esse chamado, quando assume conscientemente este sacrifício, se torna fértil, isso se converte em um carisma. Porque pelas próprias forças naturais não podemos, só  Deus com sua graça nos torna capazes. O homem casado serve, antes de tudo, a sua família. Não tendo família, pode  dedicar o melhor à paróquia, à diocese, ao povo”, assegura o arcebispo. 

Que as pregações sejam entendidas
Stankevics assinala que um problema comum na “cristandade” atual é que hoje  “o idioma da pregação deve aproximcar-se das pessoas”, que faz falta talento e dar “sermões anunciadores”. 

“Se o número de paroquianos não aumenta, o sacerdote deveria refletir. Por que? O povo muitas vezes não recebe um alimento espiritual adequado, não se sente acolhido, sente frio no templo, o amor é resfriado”.

E explica qual é sua prioridade hoje: “Meu objetivo estratégico é o renascimento espiritual da Letônia, convido a cooperar e considero aliadas todas as pessoas de boa vontade”. Isso inclui os ortodoxos: “não somos competidores mas aliados. Há tantas pessoas sem fé que temos trabalho suficiente na salvação dos perdidos”.

(Com material de Grani.lv, LifeSiteNews, Pribalt.info e Cerkov.by)




Gostou desse artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos: 

http://religionenlibertad.com/casi-lo-abortaron-fue-comunista-hizo-yoga-tomo-a-jesus-como-38414.htm

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

«O demônio quer sangue de inocentes, quer violência e medo», fala o exorcista chileno Luis Escobar Torrealba.

infocatolica.com

ESTRUTURAS SOCIAIS DA MORTE


«O demônio quer sangue de inocentes, quer violência e medo», fala o exorcista chileno Luis Escobar Torrealba

Ir a supostos bruxos ou bruxas e à prática de ritos esotéricos são condutas que estão aumentando na América Latina, com consequências nefastas e mortais em alguns casos. A superstição, a sugestão, o medo e a ignorância tem um papel essencial nesta tendência que muitos meios de comunicação difundem com morbidez ou oferecem na  seção de classificados.
13/10/14

(Portaluz/InfoCatólica)

«A confusão, necessidades e ignorância é aproveitada pelos promotores desta nova corrente eclética para tirar suculentas ganâncias em detrimento dos bolsinhos de seus ingênuos clientes», fala o sacerdote chileno Luis Escobar Torrealba.


Escobar, exorcista da diocese de Rancagua no Chile, agrega que as pessoas acostumadas ao consumismo e satisfação imediata de suas necessidades buscam nos bruxos e magias soluções rápidas.

« Trata-se de não fazer outro esforço que não seja usar o dinheiro para… separar ou unir casais, amarrar o amor, comprar a boa sorte, curar-se sem ir ao médico, anular inimigos, encontrar trabalho, afastar as más vibrações, etc. Existe para tudo e é impressionante como inclusive cristãos dão as costas ao evangelho caindo na idolatria construindo  um deus a sua medida».

O sacerdote Escobar, por causa de seu trabalho, tem informação de primeira fonte sobre as consequências que estes atos acarretam para as pessoas e recordou que em dias recentes em sua região uma menina de sete anos «faleceu vítima de um ritual com características esotéricas impulsionado pela superstição, pela sugestão, o medo e a ignorância» (clique para ler a notícia).

Quantos casos mais ocorrem diariamente, que permanecem impunes?, se pergunta o sacerdote, e cita entre as possibilidades: «Consagração de bebês ao demônio. Bruxos que entregam  seus parentes ao inimigo para fazê-los herdar seus poderes. Sacrifícios humanos que ficam na escuridão… estruturas sociais de morte que surgem como espelhismos de bem estar em um mundo que se submerge nas trevas do erro».
Video muestra un exorcismo por dentro

Neste contexto do diálogo, Portaluz perguntou também ao Padre Escobar…

Como sugere prevenir estes riscos que mostra?

Jesus é o sol que vem do alto para iluminar os que vivem nas trevas e sombras de morte. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, quem o vê,    vê ao Padre, quem vai pela mão  de Cristo não se confunde, mas  sara e é libertado até da  morte.
Algum conselho prático para enfrentar o esotérico?

Hoje urge com mais força anunciar o Evangelho, para que quem   perdeu a esperança a recupere, os que estão enfermos se curem e os oprimidos sejam libertados. A superstição é um pecado e com ela abrimos a porta ao inimigo em nossa vida e nos fazemos escravos do medo e de quem administra as fontes que alimentam a idolatria da criatura.

Um cristão ama e o amor é o único antídoto contra Satanás, não o suporta.

Aquele que  ama nunca   fará dano ao outro, sempre buscará defender a vida, e procurará salvar no amor ao outro, porque Deus é amor. Enquanto que a superstição nos faz perder o essencial da vida: o gozo de vivê-la e também nos torna cegos diante da beleza de Deus que se manifesta no cotidiano da existência.

Quem ganha com a ação de bruxos e esotéricos?
O demônio quer sangue de inocentes, quer violência e medo…

É uma urgência eclesial enfrentar esta realidade?

Como Igreja temos a responsabilidade de dispor tudo de bom para estes novos paralíticos, cegos e leprosos que necessitam ser curados por Jesus; necessitamos a fé da mulher cananeia que cruza fronteiras para chegar a rogar por sua filha, aquela que não teme se arriscar  socialmente para estar na presença do Senhor, aquela que não teme a desqualificação social por aproximar-se de Cristo, pois ela sabe que é o único que pode curar  sua filha.

Uma Igreja que cruza fronteiras, que não tema a desqualificação social que faz o mundo, uma igreja que não  teme nem o poder político, uma igreja que não   teme a morte nem a perseguição porque se sente amada… Uma igreja que não teme perder postos de privilégio por salvar  seus filhos e filhas. Todos batizados são a Igreja e a todos nos toca renovar-nos e ser daqueles que se amam e que dão uma boa notícia ao mundo e que por essa notícia e por essa experiência, se convertem. Bendito o homem que confia no Senhor e põe sua confiança n'Ele. Será como uma árvore plantada junto à água, que estende suas raízes para a corrente; não teme que chegue o calor, e suas folhas estão sempre verdes.

http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=22191&utm_medium=email&utm_source=boletin&utm_campaign=bltn141013

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Era ácido e insultante, desprezava a fé de sua esposa... mas um homem o abraçou e mudou sua vida

religionenlibertad.com

Renê Araya foi a um encontro convidado por um amigo.
Era ácido e insultante, despreciaba la fe de su esposa... pero un hombre le abrazó y cambió su vida
Era ácido e insultante, desprezava a fé de sua esposa... mas um homem o abraçou e mudou sua vida


Às vezes um abraço pode expressar mais sobre Deus e o amor que mil explicações teológicas, e assim mudar corações

Portaluz/ReL- 29 agosto 2014 -religionenlibertad.com

Grosserias e uma linguagem ambígua eram parte da violência cotidiana com  que o chileno Renê Araya estabelecia uma errática e agressiva comunicação com sua esposa Marcela.

O projeto matrimonial e da família com Marcela  ficava para ele cada vez mais alheio. Nesse mar de confusão e compulsões transcorria sua vida.

Cresceu sem referências, buscou na New Age
Renê cresceu sem referências que calçassem ou nutrissem sua fé. Foram então  os livros de metafísica e algumas ideias da New Age, “como o crer que Deus era energia”, as únicas bases de uma tíbia busca espiritual que tampouco era para ele uma questão significativa.

E  mais, Renê se sentia sempre “impulsionado por  algo que batia em meu interior ao ponto de ser um jovem complicado, com mal gênio, violento, eu era desagradável”.

Desfrutava inclusive, recorda, quando se burlava das expressões de piedade das pessoas.

Uma esposa firme na oração e louvor
Marcela, a esposa, se refugiava pacientemente na oração. Ela desde jovem participava na pastoral de sua paróquia e ao se casar  com Renê um de seus momentos de maior felicidade e consolo era participar de um grupo de louvor ao Espírito Santo.

Se algo tinha claro esta esposa é que não renunciaria à esperança de que seu esposo, algum dia, se convertesse.

No entanto, só a ideia de ter que ir com sua esposa à uma missa, causava uma explícita reação de compulsivo rechaço em Renê.

“Recordo que às vezes  dizia para ela: «Como você pode ficar na catequese!»… mas usando palavras violentas, grosseiras. Minha esposa formou então um grupo de oração, regressava feliz e eu a recebia muito mal. Inclusive  tentei forçá-la para que deixasse de ir à missa!”.

Por causa de um amigo, aceitou ir a um encontro especial
Mesmo não dobrando seus joelhos diante de nada nem ninguém, comentou Renê, talvez porque  um amigo também recebesse o mesmo convite, aceitou ir a um Encontro de Pais no Espírito (EPE)… sem ter muita noção do que se tratasse aquilo.



“Tinha mais de 30 anos nesse ano de 1993 quando vivi aquela experiência onde o Senhor, durante o retiro, se pronunciou sutilmente… pura misericórdia de Deus. Como Ele sabia que eu era exigente, raivoso –que inclusive falava com duplo sentido, com muitos palavrões e tratando violentamente as pessoas-, se valeu de muitas pessoas para ser conquistado”, recorda, hoje sereno e emocionado.

Era Pentecostes e as recordações daquela jornada são intensas na  memória de Renê: “Se até houve um casamento! Se falava do amor. Inclusive houve um homem que me abraçou, me tomou de repente, e me disse: «Eu te amo tal como você é». Nesse instante caí de joelhos e entendi... O Senhor foi sábio”.

O retiro foi o ponto de partida para uma série de acontecimentos que lentamente curaram Renê.

Entre eles, veio depois um encontro da Renovação Carismática Católica onde “vi que Deus estava vivo, não era uma história; vi autênticos milagres nas pessoas… o perdão, a cura espiritual e física”, proclama este convertido à fé.



Deixar de fumar, mudar de hábitos
E como na Sagrada Escritura se narra, também ele, que muito tinha recebido, aprendeu de igual forma a testemunhar… “Antes fumava muito, duas carteiras de cigarros ao dia. Recordo que em um retiro, um sacerdote nos disse que se queríamos deixar nossos vícios nos decidíssemos nesse instante e que o Senhor nos ia   curar. E eu fiquei pensando. Nesse instante orei: «Senhor, eu   tentado  deixar de fumar por muitos anos, mas não pude… te entrego meus cigarros». Nesse momento não os joguei fora, passou pouco mais de um mês e então de improviso peguei os cigarros de meu bolso, busquei os que estavam no aparador de minha casa e os pus  no lixo. A partir desse dia, prometi deixar de fumar”.

Renê recorda este passo a passo onde foi morrendo o “homem velho”, curando, libertando. Para ele compartilhar seu testemunho é gratidão com Deus… “Porque, quando Deus passou a estar em primeiro lugar, sobre todas as coisas, eu me enamorei completamente de minha esposa. É belo! porque quando dou a prioridade a Deus, transborda o amor”.

Com Marcela completou 28 anos de casamento, têm duas filhas e faz algum tempo é monitor dos Encontros de Pais no Espírito (EPE), os mesmos que iniciaram sua conversão.

Gostou do artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos:

http://religionenlibertad.com/articulo.asp?idarticulo=37376

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

A morte sempre foi um mistério enraizado na existência do homem, um tema obscuro, doloroso e muitas vezes evitado por nossa cultura, porque compreendemos a morte como sinônimo do final.

 As Almas do Purgatório



As Almas do Purgatório, longe de ser esses fantasmas horríveis e vingativos que durante muito tempo nos vendeu a televisão e a crença popular, são muito pelo contrário, o fruto da Misericórdia infinita que nosso Deus tem para nós, sua criação, muitas vezes ingratos e maus para com nosso Deus.

A morte sempre foi um mistério enraizado na existência do homem, um tema obscuro, doloroso e muitas vezes evitado por nossa cultura, porque compreendemos a morte como sinônimo do final.

Numerosas crenças falam de diferentes destinos da alma, depois  que esta deixa o corpo da pessoa falecida, mas para nós cristãos, a morte simplesmente é a passagem para a “verdadeira vida”, a “vida eterna”.

É por isso que na nossa Fé, se conhece o destino da alma depois da morte, que longe de ficar vagando em um espaço indefinido ou simplesmente morrer com o corpo, é reclamada por nosso Senhor, pelo preço que pagou na Cruz, para participar com Ele, da felicidade verdadeira que pressupõe  compartilhar a vida eterna no paraíso, contemplando para sempre a Face de Deus.

A alma do cristão está convidada desde o batismo a participar do Céu, para converter-se em um “Santo de Deus”, para gozar, degustar, amar, sentir e experimentar o verdadeiro amor que é Deus   co  todo seu séquito celestial. Mas é aqui que, Deus nosso Senhor, respeitando nossa liberdade não forçará  nossa alma a segui-lo ao Céu, mas nos deixará  escolher o destino da nossa eternidade. E nesta escolha só existem dois caminhos: o Céu e o Inferno.

Pensando ligeiramente nos perguntamos,  quem poderia escolher o Inferno? Porém mesmo que pareça mentira são muitos os que escolhem este caminho.

É porque o ódio, a inveja, a devassidão, a libertinagem, a falta de amor ao próximo, a vida tíbia e desinteressada pelas coisas de Deus tornam que já em vida façamos uma plena recusa de Deus, assumidos no pecado e sem que isto nos importe demasiado estamos fazendo uma aceitação implícita do que Satanás oferece.

É por isso que chegado o momento depois da morte, nosso próprio estado de iniquidade e pecado nos pode levar a escolher como em vida um caminho equivocado…

No entanto, ali é onde começa a desempenhar mais plenamente a Misericórdia de Deus, como resposta a um arrependimento sincero e um desejo total de estar com Ele. O Purgatório, nos ajudará a queimar, todos os vestígios do pecado que nossa alma carrega em sua viagem ao céu, para assim apresentar-nos diante de nosso Senhor, limpos, puros, totalmente livres de toda atadura.

NT: 'Rezemos com grande compaixão para as pessoas que morreram, começando pelos nossos queridos familiares, por nossos conhecidos, pelos que vemos todos os dias nos noticiários, pelos que morrem repentinamente.'
'Um grande ato de amor e caridade é rezarmos com grande amor e misericórdia pelos defuntos. Deus está no não tempo, portanto se rezamos por uma pessoa falecida valerá pelo tempo que viveu, isso dizia um padre muito santo que quando criança dava aulas de catequese no colégio da cidade em que morava. Sempre é tempo, especialmente pelos suicidas.'



Fonte: jesustebusca.com.ar 

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O escritor Paulo Coelho é um autor católico como ele disse ser ou um promotor da Nova Era?

ReligionenLibertad.com

O autor de "O Alquimista, o escritor Paulo Coelho é um autor católico como ele disse ser  ou um promotor da Nova Era?


Luis Santamaria/Aleteia- 27 julho 2014 - religionenlibertad.com  

O brasileiro Paulo Coelho (Rio de Janeiro, 1947) é um dos escritores mais traduzidos e lidos na atualidade, além de ser uma referência espiritual para muitas pessoas. Confessa-se cristão e disse ler constantemente a Bíblia (que cita em seus livros), além de ter estudado em um colégio jesuíta, viaja a Lourdes com frequência e afirma que o Caminho de Santiago mudou sua vida, pelo qual muitos leitores assumem que, ao lê-lo, se encontram com uma cosmovisão e uma espiritualidade totalmente compatíveis com o cristianismo. 

No entanto, um olhar para sua pessoa e  sua obra revela que estamos diante de um dos maiores difusores contemporâneos da Nova Era, com claras raízes no ocultismo.

Um personagem de extremos cativado pelo ocultismo
Mesmo que existam algumas biografias de Paulo Coelho, nos acercaremos por suas próprias palavras para repassar sua imagem   e ver o que há por detrás de seu pensamento, sua espiritualidade e seus escritos. Em 1999 o jornalista espanhol Juan Arias publicou 'As confissões do peregrino', um livro-entrevista, como resultado de longas conversas com Coelho, repassou a vida inteira do escritor, sem deixar de lado os detalhes mais escuros e escabrosos.

Perda da fé, comunista, hippie e drogas
Nascido em 1947, estudou em um colégio de   jesuítas no qual disse ter perdido a fé. Inconformista por natureza, aderiu às doutrinas marxistas, e daí passou ao movimento hippie, que se converteu em sua nova família. Nestos momentos entrou  fundo no mundo da droga e do sexo. 

Entrar em uma seita ocultista...

Depois começou sua busca mística, se interessou pelo orientalismo e inclusive caiu nas seitas. Até que “meu caráter extremista me levou a buscar algo mais forte, o que estava à esquerda da esquerda da busca espiritual”. Incorporou-se à sociedade secreta más “difícil” que encontrou e se aproximou da figura do importante ocultista Aleister Crowley. Após dois anos naquela seita, teve uma experiência forte da presença do Mal em sua casa, e pensou que fosse morrer, mas, depois de encontrar um versículo bíblico que o inspirou, deixou o ocultismo.

... e passou ao grupo esotérico da Ordem RAM
Mais adiante, com 34 anos, visitou o campo de concentração de Dachau, onde teve uma experiência espiritual muito profunda que o marcou, uma espécie de iluminação. Foi então quando entrou em um grupo esotérico, a Ordem RAM.  Em que consiste? Segundo ele, “se trata de uma ordem fundada há mais de cinco séculos, dentro da Igreja católica. Nela se transmite uma linguagem simbólica, através de uma tradição mais  oral. Mas não é nada secreto. O RAM é mais uma prática do sagrado que uma teoria do mesmo. Por isso somos um grupo muito pequeno. De fato, sigo tendo só  quatro discípulos”. Depois fez o Caminho de Santiago, experiência que marcou sua vida e o confirmou como católico convencido, segundo ele (e que explicou mais adiante).

Da alquimia vivida à novela 'O Alquimista'

Sem dúvida alguma, o texto que  consagrou  Coelho como referência literária e espiritual mundial foi sua novela 'O Alquimista'.

O jesuíta Fernando Castelli, crítico cultural, afirma que “mais que uma novela, é uma fábula sapiencial, a história de uma iniciação”. Além disso, acrescenta, “é um carrossel de ideias esotéricas” que destaca por seu vago misticismo e inclusive panteísmo (no fundo, toda a realidade é divina, se identifica com Deus), e que não deixa de ser “uma mensagem de salvação  ou de caráter ético-religioso”.

O autor enche o texto com citações de sabedoria e até da Sagrada Escritura. Observam alguns lugares comuns da Nova Era: toda a realidade é uma coisa só, e o universo funciona, assim, harmonicamente; há uma “Alma do Mundo”, que torna possível o movimento e a vida; há um saber que  abarca tudo –presente, passado e futuro–, que pode ser adquirido através da iniciação e que nos dá suas pistas em forma de intuições; a morte não existe como tal, já que não  deixa de existir, mas o indivíduo se submerge no coletivo, mudando só  sua forma de ser. 

Em busca da Pedra Filosofal

Respondendo ao seu título, a novela se centra no mundo da alquimia, que não é outra coisa que a clássica busca da Pedra Filosofal (capaz de converter os metais em ouro) e do Elixir da Longa Vida. Um sinônimo desta empresa alquímica é um conceito que Paulo Coelho repete em outros livros: “a Grande Obra”. 

Para cada pessoa, se trata da auto-realização e a felicidade, uma meta que no autor recebe o atrativo nome de “Lenda Pessoal”, e que pode conhecer-se através dos desejos e sonhos da juventude, quando a pessoa não se  corrompeu pelo materialismo do mundo. Por isso é fundamental escutar o próprio coração: “escuta  teu coração. Ele  conhece tudo, porque provém da Alma do Mundo, e um dia retornará a ela”.

Todos somos Deus...

No final, a redação de Coelho leva a identificar a pessoa com a Divindade, quando se  realizou a Grande Obra: “e o rapaz se submergiu na Alma do Mundo e viu que a Alma do Mundo era parte da Alma de Deus, e viu que a Alma de Deus era sua própria alma. E que podia, portanto, realizar milagres”. 

Como disse Castelli, no escritor brasileiro “a ordem da graça é substituída pela ordem da natureza, uma natureza que tem em si mesma a capacidade de se divinizar”.

Um Caminho de Santiago manipulado

Em sua primeira obra abordou o Caminho de Santiago: Diário de um mago. Depois, sobretudo na Espanha, acrescentou o sub-título 'O peregrino de Compostela'. 

Trata-se de uma novela de estilo autobiográfico, onde narra como, quando vai  receber a espada de mago como momento culminante de sua iniciação esotérica na Ordem RAM, convertendo-se assim em Mestre, se vê privado dela e é enviado por seus superiores ao Caminho de Santiago para encontrá-la ali, se tornando  digno de possuí-la, e só realizando esta peregrinação interior poderá converter-se em mago, sua máxima aspiração. Para isso conta com a ajuda de Petrus, seu guia no Caminho, que cumpre a função de mestre ou iniciado que o acompanha e instrui.
El escritor Paulo Coelho es un autor católico como él dice ser ¿o un promotor de la Nueva Era?
Paulo Coelho 
Mistura de esoterismo com cristianismo

Com esse jogo típico da narrativa esotérica contemporânea apresenta ao leitor como reais, fatos bastante inverossímeis ou, ao menos, muito difíceis de comprovar, mesmo estando geográfica e cronologicamente localizados (trajetória do Caminho francês, ano de 1986). 

Encontramos também ecos de  chamanismo, ao comparar sua experiência com a de Carlos Castanheda em sua relação com o misterioso personagem do mestre indígena Don Juan. E tudo isso mesclado com elementos cristãos, ao introduzir momentos de oração e referências bíblicas. Relata uma cerimônia templária no castelo de Ponferrada, e no final encontra sua espada em 'O Cebreiro'.

Coelho resume assim o ensinamento que ele mesmo  achou em sua peregrinação jacobina: “o extraordinário reside no Caminho das Pessoas Comuns”, uma compreensão “que agora trato de compartilhar com outros”. Encontramos, pois, um empenho em popularizar o esotérico, subtraindo-o do âmbito  inicial e oferecendo-o ao resto dos mortais em um impulso prometeico. 

As práticas RAM...
No Caminho, Paulo Coelho se encontra com anjos e demônios, é testemunha de milagres, luta contra seus impulsos internos… e seu mestre, Petrus, lhe vai ensinando alguns rituais r exercícios conhecidos como “as práticas do RAM”, que aparecem soltas ao longo do livro, se intercalando  no texto, até o número de onze. São os exercícios que levam ao verdadeiro Conhecimento e que o autor compartilha com seus leitores para favorecer o crescimento espiritual.

Para que nós tenhamos uma ideia de como entende o autor a peregrinação, observemos o que lhe disse supostamente um monge   que conheceu em Roncesvalles: “a Rota Jacobina é só  um dos quatro caminhos. É o Caminho da Espada. Pode trazer  Poder, mas não é suficiente”. Para sua pergunta pelos outros caminhos, o padre Jorge afirma: “Conhece  pelo menos dois. O Caminho de Jerusalém, que é o Caminho de Copas ou do Graal, te dará a capacidade de fazer milagres; e o Caminho de Roma ou Caminho de Bastos, que te permite a comunicação com outros mundos”. 

Contatar com o demônio pessoal...
Durante sua peregrinação, Paulo foi instruído em como contatar com seu demônio pessoal ( que chama Mensageiro) e entabular o Bom Combate, para  achar o Ágape. Como pode se ver,  emprega uma linguagem de cunho cristão mas  reinterpreta simbolicamente e no marco conceitual do esoterismo, posto que se repetem constantemente as alusões à Grande Obra e à Tradição (termos alquímicos, como vimos antes).

Seus conceitos de Deus são:  católicos ou mágicos?
Coelho afirma ser um mago, “mas como  são todos os que sabem ler a linguagem oculta das coisas em busca de seu destino pessoal”. 

Tem uma visão negativa das religiões, porque, disse, “quando alguém vem e te diz: Deus é isso, é aquilo, meu Deus é mais forte que o teu. Então começam as guerras. A única maneira de escapar disso é entender que a busca da espiritualidade é uma responsabilidade pessoal que não pode transferir nem encomendar aos outros”. 

Para ele, no fundo, a religião é estarmos unidos uns aos outros adorando, não importa como. Seu relativismo doutrinal fica patente quando, depois de reconhecer que aceita sem problemas os dogmas da fé católica, afirma que “todas as religiões tem seus dogmas, que são paradigmas do mistério mais profundo e misterioso”.

Coelho, é católico ou esotérico?
É católico Paulo Coelho? Como vimos, ele se declara assim. Quando dá detalhes, afirma que o catolicismo “está em minhas raízes culturais, em meu sangue”. Frente a possibilidade do ateísmo, o brasileiro escolheu esta fé “como a forma de comungar com o mistério, com outras pessoas que creem como eu. E isso não tem nada a ver com o sacerdote que celebra a missa. O dogma é algo que está mais além dos ritos, a busca do mistério é uma busca de grande liberdade”. 

Daí, a crítica para o religioso institucionalizado. Quando o jornalista Arias lhe pergunta: “Crê que toda busca espiritual necessita de uma Igreja instituída?”  Coelho responde: “Não. Ao contrário, precisa estar muito atento quando entra  em uma igreja para que não tentem substituir  a tua responsabilidade”. Para ele, Deus “é uma experiência de fé. E nada mais… não existe um Deus na medida de todos, porque é algo muito pessoal”.

Espiritualidade, sim, mas… assim?
O teólogo da libertação Leonardo Boff disse ter defendido sempre   Paulo Coelho porque, nas palavras de Juan Arias, “considera que   num mundo tão distraído e frio ele desperta com seus livros o amor pelo mistério e pelo espírito”. 

O estilo direto, simples e cativante do autor faz de seus livros uma leitura fácil e agradável, para o consumo das massas. Além disso, como ele mesmo reconhece, não se trata de simples literatura fantástica: “a maioria de meus livros, mesmo sendo narrações literárias, não são ficção. São coisas verdadeiras que eu  vivi”.  Apresenta-se como um mestre de sabedoria, de um saber acessível ao grande público, e com fórmulas para ser feliz de uma forma muito simples.

Na esteira da Nova Era
Não só  estamos diante de um hábil escritor que tem sabido aproveitar a sede espiritual de muitas pessoas para fazer o marketing de seus livros. Suas raízes ocultistas e as linhas principais de suas obras o situam diretamente na esteira da Nova Era. 

No final, a salvação se encontra no próprio indivíduo, no próprio ser humano, que descobre sua própria divindade e não necessita nem da Igreja, nem religião alguma, nem salvador… nem Deus. Por isso, conclui o jesuíta Fernando Castelli, “sua mensagem é ingênua e perigosa”.

Gostou desse artigo? Comente-o com teus amigos e conhecidos: 

http://religionenlibertad.com/articulo.asp?idarticulo=36884